quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Abuso de animais no seu dia


Touradas à corda impedem abertura de Clínica Veterinária

A doença mental ou vício é tão grande que para eles é tudo normal.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Vaca Forçada a Beber Cerveja


Video:
https://www.facebook.com/611581035901921/videos/231974244141322/


Mas o mesmo acontece na Terceira:



Este é o tipo de cultura apoiada pelo Governo Regional. O Diretor Regional da Agricultura, José Élio Ventura, insulta os açorianos quando afirma que a tourada à corda é "uma atividade cultural que é determinante para a afirmação da identidade e do estado de alma de ser açoriano". Para ele, a alma dos açorianos é isto?

Fonte:
https://iniciativa-de-cidadaos.blogspot.com/

domingo, 26 de agosto de 2018

Em defesa da Reserva Natural da Lagoa do Fogo


Em defesa da Reserva Natural da Lagoa do Fogo

Da criação da Reserva Natural e dos atropelos ao longo dos tempos

A preocupação com a degradação da natureza não é recente, tendo ao longo dos tempos várias vozes se erguido a apelar e a exigir a sua conservação. Em termos de entidades oficiais, a nível mundial, podemos considerar que 1972 foi um ano em que se deram os passos mais importantes com a realização, em Estocolmo, da Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano.

Aquele evento, onde foi criado o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), e aprovada a Declaração do Ambiente que foi considerado por John McCormick como “o acontecimento isolado que mais influiu na evolução do movimento ambientalista internacional” e onde “o pensamento progrediu das metas limitadas de proteção da natureza e conservação dos recursos naturais para a visão mais abrangente da má utilização da biosfera por parte dos humanos”.

Em Porttugal, por aquela altura, foram tomadas algumas medidas para a conservação da natureza que se estenderam aos Açores, como foi a criação no Faial e no Pico de “duas zonas de reserva integral, de acordo com a defesa da Natureza e das espécies florestais existentes”, a zona da Caldeira e a Montanha do Pico.

Na sequência daquela decisão governamental, o jornal Correio dos Açores, em 1972, lançou um apelo, para que a Lagoa do Fogo não fosse esquecida, nos seguintes termos:

“…acode-nos ao bico da pena o caso especial da nossa Lagoa do Fogo, de longa data a carecer de igaul medida ministerial, na justa defesa da sua beleza primitiva à volta de um conjunto panorâmico que importa salvar integralmente e enquanto é tempo”.

Há 46 anos, a visão profética do Correio dos Açores parece que se está a concretizar hoje com o aumento do fluxo turístico para a Região. Assim, a criação da Reserva da Lagoa do Fogo e de outras em várias ilhas, segundo o jornal, destinava-se a potegê-las “da mão do homem” e da “sua fúria por vezes tão destruidora como criminosa”, evitando assim as consequências do facto dos Açores irem “ser considerados como zona prioritária no sector do turismo”.

Criada em 1974, o que tem sido feito até hoje, em que a área está integrada no Parque Natural da ilha de São Miguel, tem sido quase só a mudança da lesgislação, adequando-a às alterações que ocorrem noutras paragens.

Ao longo dos tempos, desde a sua criação, a Reserva Natural da Lagoa do Fogo tem assistido a um conjunto de atropelos à sua integridade enquanto área destinada prioritariamente à salvaguarda dos ecossistemas, características naturais ou espécies de flora e fauna.

Não sendo exaustivos, registamos, a seguir, alguns exemplos onde a atuação das entidades foi de autorização, conivência ou inação:

- A plantação de extensas matas de criptoméria;
- A apanha de “leiva” para o cultivo do ananás;
- Associada à extracção de leiva, a propagação das espécies exóticas e invasoras como a Clethra arborea, a Leycesteria formosa, a conteira, a silva, o pica-rato e o gigante.
- A plantação de vastas áreas de eucaliptos na encosta Sul, nomeadamente no Pico da Praia;
- A tentativa, concretizada, de ajardinar e plantar ornamentais, como azáleas, cedros, hortênsias na encosta Sul, por parte dos Serviços Municipais de Ponta Delgada;
- O pastoreio por cabras e as queimadas provocadas por cabreiros;

Com a redução dos preços das viagens aéreas, o turismo tem crescido, nos últimos anos, na ilha de São Miguel e com ele, para além dos bem-vindos benefícios para a economia local, surgem os problemas associados à sobrecarga humana das zonas visitadas, entre as quais as mais sensíveis, as áreas protegidas.

Nada que não fosse de esperar, mas que o governo regional, uma vez mais, não quis ou não foi capaz de, atempadamente, tomar medidas para não depenar ou mesmo matar a nossa galinha dos ovos de ouro, o património natural dos Açores.

No caso da Lagoa do Fogo, pensamos que tem havido algum desnorte, quando, por exemplo, houve uma, não pensada, candidatura da praia ao concurso das Sete Praias Maravilhas de Portugal para pouco depois proibir “banhos e natação” ou quando se estabeleceu um prazo, muito alargado, para que um grupo de trabalho apresente medidas para regular o acesso à lagoa e conservar a qualidade da água.

De uma recente visita

No passado dia 22, acompanhado de familiares, uma das quais, em 1981, havia feito parte do percurso comigo, decidi descer à Lagoa do Fogo, contornar as suas margens e caminhar até Água d’ Alto, passando pelo percurso pedestre das Quatro Fábricas da Luz.

Começando pelo trilho que liga o miradouro à lagoa, verifico que há uma grande alteração no trajeto. Com efeito, há alguns anos quase não havia necessidade de escadas, pois o mesmo serpenteava aproveitando as curvas de nível. Hoje, com as escadas ter-se-á diminuído a distância, mas tornado tanto a subida, como a descida mais difíceis para quem não tenha uma boa condição física. Além disso, se se pretende oferecer qualidade a quem nos visita, o estado em que se encontram os degraus é deplorável e mesmo perigoso. Assim, alguns estão partidos e outros com desníveis muito altos e com ferros espetados, resultado da falta de manutenção e da erosão provocada pela água das chuvas que não foi devidamente desviada.

No que diz respeito à vegetação, verifico uma maior presença de espécies exóticas, algumas delas invasoras, entre elas destaco as conteiras. Também, não faz qualquer sentido, para além de ser ilegal, se a lei fosse para ser cumprida por todos sem exceção, uma pequena plantação de criptomérias existentes no inicio do trilho.

Na zona das Captações de Água, que é mantida pelos Serviços Municipalizados de Ponta Delgada, verifiquei que se continua a não perceber a diferença entre uma Reserva Natural e um Jardim. Com efeito, se aqueles serviços ajardinam muito bem as zonas onde mantêm as suas captações, na Reserva Natural deviam respeitar a legislação e não introduzir exóticas, como azáleas e hortênsias e muito menos penachos, uma terrível espécie invasora que facilmente domina a vegetação herbácea e arbustiva. Como só detetamos a presença de duas plantas, sugerimos a sua retirada antes que as mesmas se propaguem, o que tornará, mais tarde, difícil e cara a sua erradicação.

O aumento das espécies invasoras mostra que o combate às mesmas não passou de conversa para encher papel ou de meras ações pontuais, como aconteceu nesta reserva em 2009, quando foi contratada uma associação ambientalista para fazer o combate às mesmas, como reação a algumas ações de limpeza de infestantes organizadas pela efémera Liga dos Amigos da Lagoa do Fogo.

Por último, uma referência à fiscalização e à educação ambiental ou à ausência das mesmas. É lamentável que quando por quase todo o lado se construíram Centros de Interpretação, alguns megalómanos, a Reserva da Lagoa do Fogo tenha ficado no esquecimento e que a educação ambiental que já teve melhores dias nos Açores tenha desaparecido.

A par da prioritária educação ambiental, esta Reserva precisa de uma fiscalização permanente, sobretudo nos meses em que o número de visitantes é maior.

Teófilo Braga
(Correio dos Açores, 31607, 26 de agosto de 2018, pp. 6 e 7)

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Pressão sobre o litoral

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Amianto

Combate, nº 193, dezembro de 1995

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Base das Lajes uma ameaça aos açorianos e a todos os povos do mundo


Base das Lajes uma ameaça aos açorianos e a todos os povos do mundo

Introdução
A posição geográfica dos Açores, entre o continente Europeu e o Americano, fez com que o arquipélago desempenhasse ao longo dos tempos um papel importante na ligação entre os vários povos.

Se no século XVI, a importância dos Açores esteve ligada à escala de navios, no século XX, foi o seu uso militar que passou a estar em destaque. Com efeito, na primeira Guerra Mundial esteve instalada uma base naval e na Segunda Guerra Mundial passaram a existir duas bases aéreas.

A utilização com fins militares continua até hoje, através de acordos com os Estados Unidos da América, permitindo o uso de várias infraestruturas na Ilha Terceira onde se situa a Base das Lajes. Esta, nos últimos anos, tem visto a sua importância ser reduzida, o que se traduz na diminuição do número de americanos, civis e militares, presentes e na redução do número de trabalhadores civis portugueses ao serviço dos americanos.

Neste texto, daremos a conhecer as instalações militares existentes ao longo dos tempos, abordaremos a questão do seu uso, falaremos na fraca contestação à sua presença e terminamos com uma referência ao movimento de opinião recente que apela à descontaminação da Ilha Terceira.

Instalações militares nos Açores
De acordo com o Anuário Comercial de 1976, citado por um Grupo de Estudantes Açorianos Alunos do Instituto Superior de Economia de Lisboa que elaborou o livro “Açores: Do 25 de abril até aos nossos dias” (1), editado pela Cooperativa Livreira Editorial e Cultural Arma Crítica, naquela época existiam 29 instalações militares nacionais espalhadas pelas nove ilhas do arquipélago.

Embora com dúvidas sobre se o número apontado corresponde ao real, os autores referidos mencionam dezanove instalações militares estrangeiras distribuídas pelas seguintes ilhas: Santa Maria, com cinco instalações; São Miguel, com duas; Flores, com três e Terceira, com nove.

Pela importância em termos militares e sociais, recordamos que em 1970 trabalhavam para os americanos 1815 portugueses, neste texto apenas faremos referência às instalações existentes na ilha Terceira, onde se localiza a Base das Lajes, cedida aos Estados Unidos da América, após negociações iniciadas em 1943.

De acordo com as mesmas fontes, na Terceira para além da Base Aérea, existe o Porto da Praia da Vitória com um “cais para acostagem de navios de grande tonelagem, no geral só utilizado pelos americanos. O cais foi alargado e aprofundado em 1968 para o estabelecimento de uma base de submarinos “Polaris”, três zonas de depósitos de combustíveis (Praia da Vitória, Cinco Picos e Cabrito), três zonas de transmissões (Vila Nova, Agualva e Cinco Picos), depósito de munições (Cabrito), Estação de Controlo Espacial -Aeroporto das Lajes, um “Posto de observação e reservatório de explosivos (da Força Aérea e Marinha), camuflados por relva, no interior da ilha, próximo da zona do Cabrito. Há também, a referência à “existência de explosivos nucleares, com índice de radioatividade, por toda a ilha, o que terá provocado que a NESTLÉ se recusasse a abrir sucursais na ilha”.

Base das Lajes como instrumento de agressão aos povos

Ao longo dos tempos, a Base das Lajes tem servido ao imperialismo americano para atacar povos indefesos, pois nas guerras o número de vítimas civis é sempre maior do que nos exércitos em confronto.

Não pretendendo ser exaustivos, aqui vão alguns exemplos da sua utilização:

- Em julho de 1958 intervenção americana no Líbano com vista a proteger o “governo pró-Ocidente”;
- Em 1964, auxilio americano a Tschombé, Pelas Lajes também passaram paraquedistas belgas;
- Em 1973, apoio militar aos israelitas durante a última guerra israelo-árabe;
- Em 1975, envio de material de guerra para as forças de direita no Líbano;
- Entre agosto de 1990 e fevereiro de 1991, escala e reabastecimento de aviões para a guerra do Golfo;
- Foi o principal local de passagem de prisioneiros para a prisão de Guantánamo, em Cuba (estima-se que entre 2002 e 2008, 728 dos 744 prisioneiros transportados para Guantánamo terão passado por “jurisdição portuguesa”) (2).

Contestação à presença militar nos Açores

A contestação à presença de tropas estrangeiras nos Açores se era inexistente antes do 25 de abril de 1974, depois do mesmo continuou quase nula. Com efeito, os maiores partidos políticos são inteiramente subservientes aos interesses dos mais poderosos, estados estrangeiros ou grupos económicos nacionais ou internacionais, os partidos com assento parlamentar, mesmo os que se dizem de esquerda ignoram o assunto para não perderem votos na ilha Terceira e nunca houve nenhum movimento pacifista ou mesmo grupo libertário nos Açores que levantasse a bandeira da paz.

Se hoje, como escrevemos, os partidos de esquerda limitam-se a exigir melhores condições para os trabalhadores portugueses das Lajes, ou a descontaminação da ilha Terceira, no passado tinham uma posição clara em relação à presença militar dos Estados Unidos em território nacional. Com efeito, aquando das eleições de 1975, o PCP defendia a “liquidação das bases militares estrangeiras em território português”, a UDP, uma das organizações que deu origem ao Bloco de Esquerda, pugnava pela saída dos “americanos, alemães, ingleses e franceses … das bases em território nacional” e o MRPP (hoje PCTP/MRPP) defendia o “desmantelamento e retirada das bases e forças militares estrangeiras” (3).

A Contaminação/Descontaminação da Ilha Terceira

Para além do aumento da radioatividade devido à existência ou passagem de armamento nuclear, a presença norte-americana na Base das Lajes provocou a contaminação de solos e de aquíferos profundos. A esta contaminação ambiental poderá estar associada uma diminuição da qualidade de vida ou mesmo ser responsável por doenças do foro oncológico, o que como de costume é negado pelas entidades oficiais.

Sobre este assunto, as maiores forças partidárias, a maioria conivente com a presença de bases militares estrangeiras em Portugal, parece ter acordado da longa letargia e passou a exigir a descontaminação ambiental da ilha Terceira.

No mesmo sentido um grupo de cidadãos da ilha Terceira criou uma petição (4) onde é exigido que o Estado Português assuma as suas responsabilidades.

A guerra é um crime contra a humanidade, por isso não basta exigir a descontaminação dos locais conspurcados.

Urge lançar um movimento que lute pelo desarmamento do globo terrestre, pela solução pacífica dos conflitos e que exija o fim das despesas militares e que exija a saída de Portugal da NATO e o encerramento de todas as bases militares estrangeiras em Portugal.

(1) A.A:V.V. (1977). Açores: Do 25 de Abril até aos nossos dias. Lisboa: Cooperativa Livreira Editorial e Cultural Arma Crítica.
(2).https://observador.pt/2015/01/15/importancia-da-base-das-lajes-em-sete-factos/
(3) Eleições 75 primeiras eleições livres- o programa do MFA e dos partidos políticos. Alfragide: Edições Acrópole Lda.
(4) http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=terceira

(A Batalha, nº 280, Maio/Julho 2018, p.10)

terça-feira, 31 de julho de 2018

Sobre o acesso à Lagoa do Fogo